expoart
colunistas >> 
Literatura & Cinema >> 
Teatro baiano >> 
  Henrique Wagner
Artes Plásticas >> 
Obs: A Expoart apenas publica artigos enviados por seus usuários e colunistas.
O conteúdo dos artigos e as opiniões emitidas pelos seus autores são de sua exclusiva responsabilidade.
Artigos >> 
[Listar todos os Artigos] [Comentar e Ler Comentários]

CESAR ROMERO HOMENAGEIA ANTONIO MAIA NA CAIXA CULTURAL RIO

Exposição com 40 telas originais relembra o artista, que foi um dos criadores da Brasilidade Moderna

A CAIXA Cultural Rio de Janeiro apresenta a exposição Ex-Voto, Alma e Raiz, de 30 de abril a 26 de junho de 2016. A mostra é uma homenagem do artista plástico baiano César Romero ao pintor sergipano Antonio Maia (1928-2008), que foi seu amigo pessoal. A montagem é composta por 40 telas de Maia produzidas nos últimos 30 anos, além de livros, catálogos, cartas, postais, origamis e ex-votos originais pertencentes ao curador. A exposição foi produzida pela Expoart, tem entrada gratuita e patrocínio CAIXA e Governo Federal.

A montagem da exposição consta de elementos do universo de Antonio Maia, dispostos pelas paredes, seus signos e figuras de linguagem popular. O expectador também tomará conhecimento da luminosa palheta do artista. Suas cores são personalíssimas e certamente o localizam como um pintor de origem nordestina. Antonio Maia foi um dos artistas criadores da Brasilidade Moderna, tendo como preocupação deixar uma obra que representasse sua região e seu país.

Essa é a segunda vez que o curador homenageia um amigo já falecido. Na 3ª Bienal da Bahia, no Museu de Arte Sacra, César Romero relembrou Harry Laus (1922-1992), crítico de arte catarinense que nos anos 60 a 80 era o crítico mais importante do Brasil. Romero conviveu com os dois por décadas, eram amigos os três, e trocaram entre si vasta correspondência e informações sobre arte. O curador da exposição ressalta a importância da mostra no cenário nacional: “Esta exposição passou pela Bahia, agora Rio e São Paulo, para que a obra de Maia seja revista e possa prevalecer como merece. Pintor e desenhista, Antonio Maia foi um dos criadores da Brasilidade Moderna e um artista fundamental para a arte Brasileira. A originalidade de seu trabalho era singular. Sua preocupação era deixar uma obra que representasse sua região e o Brasil. Cumpriu sua missão de forma magistral.”.

O homenageado

Antonio Maia nasceu em Carmópolis, Sergipe, em 1928. Aos 17 anos transferiu-se para a Bahia para servir como soldado da Aeronáutica, onde viveu por três anos. Teve exposições importantes no Brasil e sua preocupação era deixar uma obra que representasse sua região e seu país. A crítica de arte o aclamava, ele se tornou um artista de grande prestígio, popularidade e mercado.

Em 1964 pinta seu primeiro quadro baseado na figura do ex-voto nordestino. Maia transforma os Ex-votos em signo. Sempre fiel ao seu tema, Maia os tratou de maneira diferente em todo seu percurso. Seus ex-votos tinham precisão, imagens nítidas, exatas, planos de cor definidos, composição bem pensada, cortes inusitados. Seus quadros estabeleciam uma relação direta com o público, empatia do místico e do real. Sempre estava atento aos grandes movimentos da arte, mas nunca perdeu sua identidade.

De Carmópolis para o Rio de Janeiro, conquistou, com sua arte, o certificado de Isenção de Júri no Salão Nacional de Arte Moderna do Rio de Janeiro (1966), o mais importante e qualificado evento de arte na época. Ano seguinte, foi contemplado com o Prêmio Lar Brasileiro, na IX Bienal de São Paulo, quando expuseram 366 artistas brasileiros juntamente com ele e a Bienal experimentou os primeiros problemas com a censura da ditadura militar.

Em 1967, assina a coluna de artes plásticas do Jornal do Brasil. Em 1968 conquista o Prêmio de Viagem no País, no Salão Nacional de Arte Moderna, o Prêmio Fundepar, no Salão Paranaense em Curitiba (PR) e Prêmio de Melhor Expositor no Ano, promoção da Standard Elétrica e Galeria do Instituto Brasil - Estados Unidos, que lhe proporcionou viajar para os Estados Unidos e realizar uma exposição individual na Art Gallery of Brazilian American Cultural Institute em Washington D.C.. Em 1969, conquistou o maior prêmio brasileiro - Viagem ao Estrangeiro, no Salão Nacional de Arte Moderna. Foi também capa do importantíssimo Dicionário das Artes Plásticas no Brasil (1969), com a pintura os Lamentadores da Morte, de autoria do crítico de arte Roberto Pontual.

Antonio Maia Faleceu em 2008 no Rio de Janeiro.

Sobre o curador

Nascido em Feira de Santana, Bahia, autodidata, César Romero iniciou-se em artes plásticas em 1967. Como crítico de arte, é filiado à Associação Brasileira de Críticos de Arte e à Associação Internacional de Críticos e arte, ONG sediada em Paris, atuando com o reconhecimento da UNESCO. Pertence ao conselho deliberativo da Associação Profissional de Artistas Plásticos de São Paulo (APAP-SP).

César participou de mais de 400 coletivas e 39 individuais. No exterior, teve 50 coletivas e nove individuais. Obteve 38 prêmios de pintura, quatro de fotografia, três Salas Especiais. Possui trabalhos em 46 museus brasileiros. Há inúmeras referências nacionais e internacionais sobre seus trabalhos em livros, dicionários, revistas, e jornais. Sua fortuna crítica consta de 115 textos de especialistas em arte, brasileiros e estrangeiros.

Serviço:

Exposição Ex-Voto, Alma e Raiz

Abertura: 30 de abril de 2016, às 17h.

Visitação: 01 de maio a 26 de junho de 2016.

Horário: terça a domingo, das 10h às 21h

Local: CAIXA Cultural Rio - Av. Alm. Barroso, 25 - Centro, Rio de Janeiro

Lançamento do catálogo e visita guiada pelo curador: 30 de abril, às XXh.

Curadoria: César Romero

Catálogo on-line no sitewww.expoart.com.br

Informações: (21) 3980-3815

Classificação etária: Livre para todos os públicos.

Entrada Franca

Acesso para pessoas com deficiência

Projeto: expoart.com.br

Patrocínio: CAIXA


Para comentar, você deve utilizar sua conta do Facebook, Hotmail, Yahoo ou AOL.

©2001 Expoart Serviços Ltda. Todos os direitos reservados.