expoart
colunistas >> 
Literatura & Cinema >> 
  Henrique Wagner
Teatro baiano >> 
  Henrique Wagner
Artes Plásticas >> 
Obs: A Expoart apenas publica artigos enviados por seus usuários e colunistas.
O conteúdo dos artigos e as opiniões emitidas pelos seus autores são de sua exclusiva responsabilidade.
Artigos >> 
[Listar todos os Artigos] [Comentar e Ler Comentários]

Artes Visuais: cultura e criação

Monografia sobre produção fotográfica contemporânea em meio digital na categoria conceitual

Hoje em dia algumas imagens contemporâneas se tornaram extremamente complexas, difíceis de categorizar e nos mais diversos suportes.

Aos poucos a problematização da cultura, ciências e da informação dos "bios tecnológicos", vem substituindo o modelo "Fordista" da cultura industrial do século XX.

O século XXI é o século das imagens.

Já estamos vivendo a realidade de imagens táteis, imagens que, dentre outras funções, respondem ao movimento do corpo na experiência virtual. Imagens digitais que ganham características particulares, tal como a produção das imagens utilizando: metamorfose, filtros, colagens, anamorfoses, texturas e animações.

A crescente diversificação dos modos de ser das imagens e as novas formas de experiências iniciadas pela tecnologia, apontam para os possíveis questionamentos do "dispositivo imersivo", contribuindo assim para a formação de novos modos de fruição nas "Artes Visuais" e na avaliação de sua importância no mundo contemporâneo.

Na atualidade, a tela do monitor se tornou um suporte privilegiado para as relações interpessoais, embora não seja este seu único encargo.

A geração dos "sou visto, logo existo", é cada vez mais tema de estudo, como por exemplo, a problemática entre o público e o privado. No estudo da "importância do olhar do outro", estão sendo configurados os limites, entre o "público artificial" e o "privado natural".

A presente mostra fotográfica é o produto de minha monografia em "Artes Visuais: cultura e criação". Foi montada para preencher o pré-requisito de estar relacionada à produção fotográfica contemporânea em meio digital na categoria conceitual, como por exemplo: colagem, justaposição e montagem de imagens. Com isto, pretendo confrontar os efeitos da imersão em uma mostra em galeria de arte real, na "Conviv’art", nas dependências da UFRN em Natal, e outra com a imersão em uma mostra em galeria virtual, aqui, na "Expoart".


Participe desta monografia, a complementação do trabalho depende da participação da pesquisa de campo, e os participantes deverão responder as perguntas na caixa de comentários.

Acesse o link www.expoart.com.br/CibeleOliveira para visualizar todas as 12 fotos da mostra virtual, retorne para o Artigos e participe da nossa pesquisa de campo, respondendo o as perguntas abaixo no espaço para comentários.

A sua opinião será fundamental para o sucesso na conclusão da nossa pesquisa.

  1. Quais foram às obras que te despertaram maior interesse?
  2. Por quê? Provocaram alguma sensação? Remete-te a alguma experiência pessoal?
  3. Em sua opinião, a exposição virtual dessas obras, altera a sua percepção?

A mostra presencial será no dia 7 de maio de 2009, às 18h30min no "CENTRO DE CONVIVÊNCIA" da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Considerem-se convidados

Cibele Oliveira
www.expoart.com.br/CibeleOliveira


Para comentar, você deve utilizar sua conta do Facebook, Hotmail, Yahoo ou AOL.

31/03/2009 00:39:04 - Prod. fotográfica contemp. em meio digital na categ. conceitual
Concordo com você quando diz que o século XXI é o Século das imagens. Em virtude do acúmulo de informações, na sua maioria, escritas, que foram acumuladas durante mais de 20 séculos, acredito que uma imagem vale mais do que mil palavras e para isso acontecer é necessário que o artista contemporâneo seja cada vez mais criativo e acompanhe o desenrolar da época em que estamos inseridos.
Postado por: Maria Glaudete
10/04/2009 02:48:02 - comentários
1. Número 6 2. Simples e digitalmente contemporânea, a obra número 6 me faz refletir sobre a perpetuação da pobreza como lógica e não discutível. 3. A exposição virtual não privilegia a textura ou o olfato, essenciais às composições visuais. Enquanto reprodução do medium tradicional, a virtual é incompleta. Espero ter contribuído. Beijos
Postado por: Bernardo R. dos Santos
10/04/2009 02:50:06 - comentários
1. Quais foram as obras que te despertaram maior interesse? As fotos 1 Enigma da visão fundamental,4 Labirinto verde e 12 Decomposição desarticulação de planos e volumes. 2. Por quê? Provocaram alguma sensação? Remete-te a alguma experiência pessoal? A foto 1 me parece uma figura de uma chinesa produzida e harmoniosa. A foto 4 me transmite paz. A foto 12 me transmite a vaidade feminina se desfazendo. 3. Em sua opinião, a exposição virtual dessas obras altera a sua percepção? Altera a partir do momento que vc pára e observa detalhes que normalmente não daria importância. Espero que tenha ajudado a vc. Beijocas
Postado por: Silvia Braga
10/04/2009 02:52:50 - comentários
. A obra número 5 e a 8. 2. Na primeira há uma coisa entre o claro e o escuro, esta duplicidade de cor que é capaz de falar na divisão da alma e outras divisões. Na número 8, eleva-se uma sensação de infinito, o que buscamos, ou a vida é infinita através de uma espiral sem fim. não sabemos, pode ser o caminha da duvida tbm. 3. NÃO, APERCEPÇÃO É A MESMA beijos, teka
Postado por: Tereza Barreto
10/04/2009 02:58:03 - comentários
1. gostei mais das numero 4 e 6 2. gostei da numero 4 por que lembra uma montagem com um ovni. parece uma brincadeira com essas construções de jardim, que dizem ter um sentido místico, e que é uma experiencia transcendental percorrê-los e tudo mais... A luz multicolor é uma intervenção relativamente fácil de ser feita no computador e termina por dar certo ar tosco de algo que não é feito para convencer. uma brincadeira. Na de numero 6 me lembrei da reação dos bebês frente a espelhos. como deve ser interessante o vislumbre desse universo virtual pela primeira vez... fiquei me perguntando qual seria o cão real.com certeza não é o da foto. (continuo no proximo bloco)
Postado por: Vinicius Dantas
10/04/2009 03:04:04 - comentários (continuação 1)
3. Acho um fenomeno muito interessante, e pretendo também exercitar, as possibilidades de interfaces que as novas mídias e informática em geral tem trazido. Ainda provoca muita estranheza experimentar imagens fora do seu contexto "original". Creio eu que no caso da internet isso até se sente menos. quer dizer, se vc projetar uma foto da tua família no cinema ou passar no meio da novela vai ser mais estranho que colocar na tela dum computador . as pessoas ja têm o software mental p ler a imagem na internet e tudo vai mais facil ( sem tantas perguntas) pq o meio ja existe sob certos aspectos como uma extenção do mundo real.
Postado por: Vinicius Dantas
10/04/2009 03:07:13 - comentários (continuação 2)
Já entendem q podem "ter" na tela do computador tudo que há pra se ver na rua. estão acostumados à interface, mas nem sempre à imagem(composição de pixels luminosos...),e essa imagem pode flutuar sob forma muito parecida varios tipos d dispositivos.Nesse ambiente, essa pagina que pede para ser vista como arte, quase como um museu, a experiencia já é bastante orientada. No caso do cinema e musica, por exemplo, os ortodoxos defendem como uma experiencia unica a da sala d projeção c cadeiras confortáveis,escuro e silencio, mas ja posso assistir a um filme num visor d 1 polegada num onibus c fones d ouvido.é a mesma coisa?
Postado por: vinicius Dantas
10/04/2009 03:08:56 - comentários (continuação 3)
Óbvio que n. mas tem sido inevitável. um xou ao vivo é diferente de ouvir um cd. mas ja tem artistas que brincam com isso tempo. qndo o cinema estourou,por exemplo, implicou em mudanças interessantes no modo de se produzir fotografias. inclusive varios artistas, como cindy sherman, passaram a discutir a relação da fotografia convencional com o cinema. é interessante e acredito que tem novas perguntas que podem demorar um pouco para serem respondidas. Um abraço. e boa sorte no trabalho!
Postado por: Vinicius Dantas
10/04/2009 03:41:57 - comentários
1. Quais foram as obras que te despertaram maior interesse? As fotos: 4. Labirinto verde, fluxo de luz; 8. Movimento espaço-temporal, convite á visão e à reflexão; 11. Na dobra do tempo, experiência se morte e nascimento. 2. Por quê? Provocaram alguma sensação? Remete-te a alguma experiência pessoal? 4 – Lembra-me os caminhos que percorremos e os que ainda faltam para se alcançar a “luz”; 8- Outra representação da evolução através do tempo percorrido, o turbilhão da vida; 11- A imagem do passado refletindo-se no presente, sem modificá-la de forma física, mas fazendo a mente lembrar da sua existência. 3. Em sua opinião, a exposição virtual dessas obras altera a sua percepção? Não.
Postado por: Alexandre R. dos Santos
13/04/2009 00:41:32 - Comentários
1. As imagens que me despertaram maior interesse foram: a 04, Labirinto Verde; a 06, Salão de espelhos imagens e formas auto referentes; e a 12, decomposição desarticulação de planos e volumes. 2. Labirinto Verde, remete-me à experiência que tenho tido com o Curso de Sustentabilidade Ambiental e à complexidade da nossa relação com o universo. Sinto paz e pertencimento. A do Salão de espelhos me intrigou: como foi feita? e a da decomposição percebi como pós-modernidade, e também pensei como foi feita? 3. Eu prefiro ver estas e qualquer outra imagem em outra mídia, pois esta me cansa e estressa. Uso só o necessário, nada mais. Espero que ajude o teu trabalho.
Postado por: Marcia Le Senechal
16/04/2009 01:33:21 - Comentários
Todas as obras me despertaram o maior interesse. 2. Pois cada uma delas apresentava uma mágica diferente, efeitos diferentes. A primeira imagem me lembrou de um efeito de vidro. E sobre vidro, uns desenhos do rosto de uma mulher pintado. as cores verdes parece vim atrás do vidro, verdes de plantas ou de um jardim. A segunda imagem, a sombra ou uma alma de um homem da fazenda retrata perfeitamente o título colocado "Memórias sombras do presente sombras do futuro". A terceira imagem me lembra do estilo contemporâneo, o surrealismo; duas faces de um homem como se uma delas estivesse saindo do corpo material. A quarta, o mesmo pensamento do leitor leandromvi (comentário dele no blog).
Postado por: Elizabeth Ferreira
16/04/2009 01:34:50 - comentários (continuação 1)
A quinta, me desperta uma lembrança: "Aonde eu estiver, a lembrança permanecerá"; vejo várias imagens interagidas de uma noite, outra ao entardecer e outra de dia, jogando efeitos interessantes. A sexta, pouco difícil de defini-la, mas sinto nela uma imagem espelhada, vejo elementos de urbanismo como por exemplo a placa de trânsito espelhada: uma transparente amarela de um lado e outra sem cor do outro lado. A sétima, achei interessante jogar efeito em uma fotografia, sobre ela desenhar ou pintar, acrescentando mais alguns elementos. Devido às uvas, me lembra de Carmem Miranda. A oitava, a imagem parece estar em movimento circular, por seu efeito ótico. Lembra-me de um furacão, ou alguém dentro de um liquidificador. Semiótica muito interessante.
Postado por: Elizabeth Ferreira
16/04/2009 01:37:24 - comentários (continuação 2)
A nona, eu seleciono-a como a última das imagens interessantes, mas isso não quer dizer que não seja interessante. Gostei dela por representar a fragilidade e miséria do menino, quanto as bolhas, sem comentário. A décima, o efeito de cor e textura numa imagem fotográfica dão uma verdadeira "Diáfana natureza feminina subversão visual"; às vezes também me dá uma sensação de uma memória perdida, pela perda da imagem do rosto da mulher. A décima primeira, imagem fantástica! retrata tempos antigos, raízes do passado. Efeitos sombrios dos mortos. A última, amei a imagem. Como próprio título indica, a imagem se decompõe, perdendo sua nitidez.
Postado por: Elizabeth Ferreira
16/04/2009 01:38:48 - comentários (continuação 3)
3. se não tivesse alterada a minha percepção, não teria tido as minhas leituras das obras. Não é verdade?! Os efeitos físicos, formas, texturas são bem vistos na tela. Achei muito interessante de sua parte desenvolver seu projeto, sua exposição de obras no mundo virtual. Parabéns Cibele, fico encantada com sua arte e seu olhar. Seus trabalhos me remeteram bastante interpretação visual. E boa sorte em sua monografia. Beijos Beth
Postado por: Elizabeth Ferreira
21/04/2009 02:43:55 - Comentários
1. As fotos 04 e 11. 2. A foto 04 me chamou muita atenção, porque dá a impressão do real. De que a foto não foi trabalhada virtualmente, apesar de saber que foi. A foto 11 não me agradou. Não gostei dessa imagem, porque para mim ela está muito poluída. Eu tenho a impressão que está faltando alguma coisa e sobrando muita coisa, um grande caos. Dá a impressão de que é muito “Kitsch”, tem muitos elementos que dava para ser tirado daí, e outras que davam para focar mais. É isso!
Postado por: Alexandrina Viana
21/04/2009 02:46:05 - Comentários
1. As fotos 03, 04, 06 e 08. 2. A foto 03 me atraiu muito por sua estética. Gostaria de experimentar fazer um trabalho desses. Achei interessante. A foto 04 me dá uma idéia de solidão, de infinito e no miolo reconheço um personagem que identifico como sendo eu mesmo. Uma sensação de estar me vendo dentro da fotografia. Você se sente bem com sigo mesmo! Na foto 06 fui atraído imediatamente pela imagem do cachorro e a simetria entre as imagens reflexas. No entanto, quando olho para a imagem das casas, espero encontrar a mesma simetria anterior, o que não vejo se confirmar. São linguagens diferentes justapostas. Outro enigma que reconheço está no único poste vermelho da imagem fotográfica, qual seria sua mensagem, seu significado? A idéia do miolo que traz a foto 08 me remete a um sonho, acho muito legal! Lembra-me os trabalhos de “M.C. Escher”. “... Idéia de infinito... com alguém no meio todo distorcido... com este relógio... Alfa e Omega.” É isso!
Postado por: Adonias Assunção
21/04/2009 02:50:12 - Comentários
1. As fotos 03, 05, 11 e 12. 2. Eu gostei de como esta foto 03 foi decomposta e distorcida. Acho que ela me remete bastante à situação do indivíduo na era contemporânea, que tem que conviver com estímulos múltiplos e com isso tem sua identidade fragmentada. Esta imagem fala bastante da idéia de fragmentação espaço-tempo e como este indivíduo é confrontado a situação limite dele na modernidade atual. A foto 05 me chamou muita atenção, não pela sua questão conceitual mas ela me trouxe muito prazer estético. Lembra um pouco as fotos em “Pinhole”. As cores e os planos estão muito bem distribuídos. Trabalha bem a simetria do espaço. Eu não sei bem onde esta imagem fotográfica foi tirada, mas de alguma forma ela me lembrou a paisagem do “Forte dos Reis Magos”, porque quando criança passeava muito ali com meu pai e meu irmão. Achei a foto 11 também interessante. Ela trata do passado e a sensação estética que ela me transmitiu foi a dos familiares e as referências do passado.
Postado por: Bruna Hetzel
21/04/2009 02:52:08 - comentários (continuação 1)
Eles ficam como fantasmas, sempre presentes, mesmo virtualmente em função da distância corporal, porém dentro da nossa memória. O que mais gostei na foto 12 foi o enfoque da efemeridade do corpo e da beleza da modelo feminina diante do tempo. 3. Em sua opinião, a exposição virtual dessas obras, altera a sua percepção? As imagens fotográficas se comunicam muito bem na virtualidade, diferente da pintura que exige mais o presencial. Mas esta é a minha opinião.
Postado por: Bruna Hetzel
02/05/2009 19:24:31 - Projeto virtual
Cibele,considere-se abençoada por Deus, em se permitir viver um momento de plena realizações.Seus trabalhos revelam obras inspiradas no cenário da contemporaneidade de onde expressam formas onde mostram efeitos reais com efeitos virtual.Parabéns.
Postado por: Judith Pondofe
28/05/2009 02:17:27 - comentário
! . Fotos: 02, 06, 11. 2. A foto 2 me remete às minhas vivências de infância, na minha cidade. Lembra-me meu pai e mexe muito com o meu passado, minha história. A foto 6 me impressionou, porque meu deu uma sensação de encontro, da necessidade de reconhecimento dos dois animais. Sinto a vontade de ver a cena ser finaliza da com o encontro e reconhecimento natural dos animais, cena esta muito comum nas cidades do interior. A foto 11 é muito interessante, devido a sua construção provocadora. Visualizou, quando em contemplação, a evolução da família através dos tempos fazendo uma relação com a evolução do homem, de Charles Darwin. 3. Na minha opinião não há alteração de percepção entre a imersão virtual e real.
Postado por: Judith Pondofe
©2001 Expoart Serviços Ltda. Todos os direitos reservados.